terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Sobrenatural - Minha Avó


Dificilmente, veremos alguém que não sente imensa saudade dos avós, quando os mesmos ja são falecidos,eu sinto muita, muita saudade mesmos deles, poucos anos, antes de casar, minhas ferias, eu ia para lá,interior, casas de barro, coberta de palha, não sei nem se pode se chamar de vila, pois lá na época, só tinha 6 casas, todos parentes, meu avô, faleceu em 1994 e minha avó em 2005.
Ela faleceu com 98 anos, e nunca perdeu a sanidade, era incrivelmente senil, eu, é claro, adorava as historias que ela contava, uma me deixou um pouco assustado, pois na casa dela,a noite, só dormia, ela, um filho dela, que cuidava dela e eu em outro quarto.
Antes de continuar perta o play



Ela nos contou, que desde o dia em que meu avô faleceu, não teve uma unica noite, em que, ela mal entrava no quarto para dormir, a porta ja se abria, e meu avô entrava, puxava uma cadeira e ficava a noite inteira sentada ao seu lado, ficava até o dia amanhecer, e em todo esse tempo, praticamente nunca disse uma unica palavra, só ficava lá, parado, velando pelo sono dela
.
Ela conta, que em algumas ocasiões, ela acordava de madrugada, e alem do meu avô, todos os irmãos dela, ja falecidos também, estavam ao redor da cama, ela disse que jamais sentiu medo ou algo do tipo, mas que se sentia bem.

Lá nesse interior, acontecia muitos casos sobrenaturais, lendas de homens e mulheres que se transformavam em porcos.

 (tentei achar imagens, mas acabei achando umas reportagens sobre o o tema ( https://www.youtube.com/watch?v=7b96fNXkVwk )


Meus pais quando se casaram, moravam num tipo de rancho, uns quilometros dali, mas pouca coisa, meu irmao nasceu lá, em certa ocasião, vinha meu pai em um cavalo e minha mãe em outro, passando pelo meio do mato, em estradas estreitas cercadas pelo mato, que mal cabiam um cavalo,




fazendo com que meu pai fosse na frente e minha mãe fosse atras, em um certo momento, que nao me recordo se ela me contou o horario, ao passsarem por um local, algo montou no cavalo da minha mãe, tanto que o cavalo relinchou, ela perdeu a voz de tanto medo, e sentido um calafrio enorme nas costas, prosseguiram a viagem, ela tentando pedir ajuda, mas a voz não saia, tamanho o medo,quando finalmente sairam do meio do mato, e chegaram numa estrada de verdade, ela sentiu quando aquilo pulou do cavalo, tanto que ela escutou o som de algo caindo no chão, ela ainda assim, estava sem voz, só quando chegaram na casa de meus avós, que ela conseguiu abrir a voz.

Lá era comum, voce esta andando numa estrada, e ouvir o som de um peão levando a boiada, ouviam ele gritanto "ói o booi, ói o booi" som do berrante,


as pessoas chegavam a ver a fumaça levantada pelos bois, a pessoa saia da estrada por causa da boiada, e quando via, não era nada, absolutamente nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

posta ae